Vesícula e vias biliares

O Sistema Biliar é constituído pela Vesícula e pelas Vias Biliares. A sua função é armazenar e permitir a passagem da bílis, desde o fígado até ao intestino delgado (segunda porção do duodeno). A bílis é uma solução complexa, mas necessária, para que no intestino delgado se absorvam as gorduras.

ANATOMIA DAS VIAS BILIARES

O fígado é atravessado por inúmeros canalículos biliares que drenam a bílis para outros canalículos de maior calibre confluindo os da parte direita do fígado para o canal hepático direito e os da parte esquerda do fígado para o canal hepático esquerdo. A junção do canal hepático direito e esquerdo formam o canal hepático comum. O canal cístico une a vesícula ao canal hepático comum que depois desta junção passa a chamar-se canal biliar comum ou colédoco. Na sua porção terminal o canal biliar comum é acompanhado pelo canal pancreático (canal de Wirsung) e em conjunto entram no duodeno formando a papila de Vater. O canal biliar comum, o canal pancreático e a papila de Vater são envolvidos pelo esfíncter de Oddi, uma zona de maior pressão que regula a passagem da bílis para o duodeno.

QUAL A FUNÇÃO DAS VIAS BILIARES?

O fígado secreta por dia cerca de 500 ml (meio litro) de bílis. A bílis é uma solução complexa constituída por sais biliares (ácidos biliares), fosfolípidos e colesterol. Em menor quantidade existe também na bílis bilirrurina conjugada e ácidos orgânicos. A bílis secretada pelo fígado durante o intervalo das refeições encontra o esfíncter de Oddi fechado obrigando a bílis a armazenar-se na vesícula, onde por perda de água, se vai concentrando. Durante a refeição a gordura que chega ao duodeno faz libertar a hormona colecistoquinina que contrai a vesícula e relaxa o esfíncter do Oddi. A bílis chega então ao duodeno onde se mistura com os alimentos e, pelas suas propriedades detergentes permite a solubilização e digestão das gorduras.
O fígado foi puxado para se ver bem a vesícula e a via biliar
Compreendemos a necessidade de a bílis, formada no fígado, chegar ao intestino delgado e, também se torna claro que o papel da vesícula não é primordial para que isso aconteça. Podemos perfeitamente viver sem vesícula como acontece a todas as pessoas a quem o cirurgião por terem pedras na vesícula ou por outro motivo, teve que tirar a vesícula (colecistectomia).

COMO SE MANIFESTAM AS DOENÇAS DA VESÍCULA?

Os sintomas e sinais pelos quais as doenças da vesícula se manifestam são a dor - cólica biliar - e os sintomas e sinais resultantes da estase da bílis. A dor originada nas vias biliares aparece quando há distensão dos canais biliares ou da vesícula. O impacto dum cálculo no canal cístico ou no colédoco, que impede o fluxo da bílis é, a causa mais frequente, de distensão e consequente dor. A dor localiza-se com frequência na parte direita e superior do abdómen e pode irradiar para o ombro direito. Ainda está muito difundida a ideia de atribuir às pedras da vesícula sintomas dispépticos originados no estômago: enfartamento, desconforto epigástrico, eructações (arrotos) e até sintomas da doença do refluxo gastro-esofágico: azia e regurgitação. Felizmente estas falsas noções, que podem conduzir a cirurgias inúteis, vão desaparecendo. A estase da bílis aparece quando o fluxo biliar encontra um obstáculo na sua passagem e, pode dar origem a uma constelação de sintomas, sinais e alterações bioquímicas: icterícia e prurido (comichão) porque a bilirrubina e os sais biliares sobem no sangue, elevação das transaminases, da fosfatase alcalina, da gamaGT, má absorção das gorduras no intestino e consequente diarreia, fezes pálidas porque a bílis é que dá às fezes a cor amarelada etc. Quando há infecção a febre é um sintoma importante.

QUAIS AS DOENÇAS DA VESÍCULA E VIA BILIAR?

A doença mais frequente das vias biliares é a Litíase da Vesícula (pedras da vesícula ou cálculos da vesícula são maneiras diferentes de dizer a mesma coisa). Litus significa rocha em latim e dela deriva litíase e cálculu significa em latim pequena pedra (calcular tem a mesma raiz). A litíase da vesícula é muito frequente embora na maior parte dos casos não dê origem a sintomas, as pedras permanecem silenciosas na vesícula e não necessitam de nenhum tratamento. A colecistite é a inflamação da vesícula quase sempre em consequência da litiase. Coledocolitiase refere- se aos cálculos do coledoco que migraram da vesícula ou se formaram no próprio colédoco. As outras doenças da vesícula e vias biliares: tumores, colangite esclerosante, cirrose biliar primária, quistos, disquinésia da vesícula e esfíncter de Oddi; são situações raras.

COMO SE DIAGNOSTICAM AS DOENÇAS DA VESÍCULA?

O diagnóstico das doenças da vesícula e das vias biliares tornou-se muito mais fácil nos últimos 20 anos com o desenvolvimento das técnicas de imagem: além do Rx simples do abdómen e colecistografia oral (quase abandonada), temos hoje a ecografia (ultra-sonografia), a TAC (tomografia axial computorizada) a RM (ressonância magnética), a colangiografia, a PTC (colangiografia percutânea trans-hepática) a CPRE (colangiopancreatografia retrograda endoscópica). Além destas técnicas de imagem vários exames ao sangue, hematológicos e bioquímicos ajudam o médico a estabelecer o diagnóstico das doenças do sistema biliar.
Figura esquemática com células do fígado, avermelhadas, vasos sanguíneos a azul e a rede formada pelos canalículos e canais biliares a verde.