IMUNIDADE

é a resistência que um organismo apresta frente a um agente patogénico Imunologia - é a ciência que estuda os órgãos, os tecidos, as células e as moléculas que defendem o organismo. Antigénio - é uma molécula (a maior parte são proteínas) que um organismo pode reconhecer como estranha quer sejam autoantigénios ou antigénios que vêm de fora. Anticorpo - proteína produzida por linfócitos B em resposta à entrada de um antigénio. O sistema imune serve para nos proteger mas, é uma espada de dois gumes, porque alem de ser um mecanismo de defesa pode ser agressivo para o corpo humano. É um sistema complexo que podemos dividir-se em imunidade natural, inata, não específica, que é uma primeira linha de defesa para qualquer agressor. É constituída por factores não imunológicos: a pele, a córnea, as mucosas, o reflexo da tosse, o ácido clorídrico no estômago mas também por factores imunológicos, humorais: (complemento), celulares: (neutrófilos, macrófagos e células assassinas (Natural Killer cells), e imunidade adaptativa , específica que responde com a formação de anticorpos e com reacção celular, guardando na memoria o que foi previamente reconhecido como estranho (antigénio). Os linfócitos são responsáveis por este tipo de imunidade. Este sistema de defesa é, uma espada de dois gumes que pode não só ter deficiências e falhas, porque nascemos com elas ou as adquirimos e não dá uma resposta adequada, mas também, porque as reacções que deviam ser de defesa são anormais ou, porque o sistema imunitário é incapaz de reconhecer os próprios antigénios e responde com autoanticorpos. EM RESUMO: SISTEMA IMUNITÁRIO NORMAL: Defesa do organismo: 1-Inata (não específica, é independente do agente agressor) 1.1 Barreira cutânea e mucosa 1.2 Células linfóides (natural killer) 1.3 Fagocitose: macrófagos e monócitos 1.3 Células dendríticas 1.4 Inflamação 2-Adaptativa (específica, adquirida): 2.1 Apresentação do antigénio 2.2 Reconhecimento do antigénio 2.3 Activação e proliferação dos linfócitos T e B 2.4 Mecanismos efectores 2.4.1 Linfócitos T: citotóxicos (CD8), cooperadores (CD4), supressores e memória. 2.4.2 Linfócitos B: células plasmáticas: imunoglobulinas (anticorpos): (IgA, IgG, IgM, IgD e IgE), memória. ANORMAL: alterações mais ou menos graves (algumas mortais) 1-Deficiências do Sistema Imune 2-Reacções inapropriadas (alérgicas) Hipersensibilidade tipo I - reacção anafilática IgE Hipersensibilidade tipo II - reacção citotóxica IgG Hipersensibilidade tipo III - IgG e IgM Hipersensibilidade tipo IV - reacção retardada Linfocitos T 3-Doenças autoimunes O Sistema imune é constituído por vários órgãos, tecidos e células Órgãos e tecidos: PRIMÁRIOS: Timo - processamento dos linfócitos T, timosina Medula óssea SECUNDÁRIOS: Gânglios linfáticos Baço MALT (tecido linfoide associado à mucosa) GALT (tecido linfoide associado ao tubo digestivo) Células: Linfócitos: Linfócitos B - reacção humoral Plasmócitos - produção de imunoglobulinas Linfócitos T - reacção celular a) Linfócitos T helper (CD4) b) Linfócitos T supressores (CD8) c) Linfócitos T NK (assassinos naturais) Monócitos e macrófagos - fagocitose, reconhecimento e apresentação do antigénio Mastócitos e basófilos - reacções alérgicas Neutrófilos - defesa contra microorganismos e outros antigénios Eosinófilos - reacções alérgicas, helmintas IMUNIDADE NATURAL : Activa - após hepatite B, por exemplo. Passiva - anticorpos transmitidos pela mãe. ARTIFICIAL Activa - vacinas - hepatite B, por exemplo. Passiva - seroterápia - após mordedura de cobra venenosa. AS DEFESAS DO APARELHO DIGESTIVO 1. Barreira luminal: lisosimas da saliva, ácido clorídrico no estômago, enzimas pancreáticos e sais biliares no intestino delgado proximal 2. Barreira epitelial 3. Resposta imune inata: monócitos, macrófagos, mastócitos, basófilos 4. Folículos linfoides, placas de Peyer (cerca de 100 no homem, localizadas no íleo) constituem os aglomerados linfoides MALT (tecido linfoide associado à mucosa) e GALT (tecido linfoide associado ao tubo digestivo) - (John Conrad Peyer médico Suíço 1653-1712) 5. Linfócitos T 6. Linfócitos B - efeito protector da IgA 7. Microbiótica intestinal Linfócitos e monócitos estão difusamente presentes na mucosa e lamina própria assim como, no tecido linfoide e, placas de Payer. Estes tecidos e células são capazes de distinguir entre organismos potencialmente patogénicos e alimentos ou bactérias comensais. MICROBIÓTICA - quando nascemos o nosso tubo digestivo é estéril mas, a colonização bacteriana começa logo durante o parto ou imediatamente depois. A flora intestinal (microbiótica) num adulto saudável é constituída essencialmente por bactérias e alguns fungos. Cerca de 1000 espécies de bactérias que pesam cerca 2 kg. Metade da massa fecal é constituída por bactérias. O ácido clorídrico, a bílis e as secreções pancreáticas tornam o estômago e o intestino proximal quase estéril. A função principal desta comensal (associação de dois organismos em que um vive á custa do outro sem o prejudicar) flora bacteriana é proteger o hospedeiro de outras bactérias agressivas. Competem com elas nos nutrientes, impedem a sua ligação ao epitélio e estimulam as células do sistema imune. A microbiótica intestinal sintetiza vitaminas (ácido fólico) tiamina VitB12 e K), participa na digestão e absorção dos hidratos de carbono (celulose, pectina) interfere no metabolismo dos sais biliares permitindo a circulação entero-hepática…
Imunidade