O cancro do aparelho digestivo
TUMORES
Õ cancro é um crescimento descontrolado de células, num sitio do organismo, espalhando-se a órgãos vitais alterando a sua função e levando à morte. Sabemos que o cancro resulta duma alteração genética, na maior parte dos casos, adquirida durante a nossa vida. Num numero menor de casos, pode ser hereditária. Os factores adquiridos que aumentam as alterações genéticas são alguns extrínsecos como os químicos, os vírus, as bactérias ou intrínsecos como os hábitos dietéticos. Mas a maior parte dos cancros são aleatórios frutos do acaso, são erros aleatórios do ADN. Os cancros do aparelho digestivo constituem a principal causa de morte oncológica a nível mundial. Em Portugal representam 10% das causas de morte. O cancro do cólon embora sendo o mais frequente tem relativamente, uma pequena mortalidade, comparado com o cancro do pâncreas com uma mortalidade de 95% aos 5 anos. CANCROS DO APARELHO DIGESTIVO ESÓFAGO ESTÔMAGO INTESTINO DELGADO INTESTINO GROSSO (CÓLON e RETO) FÍGADO VIAS BILIARES PÂNCREAS PERITONEO CANCROS HEREDITÁRIOS DO APARELHO DIGESTIVO A maior parte dos cancros em geral não são heretitários. O cancro do estômago hereditário é muito raro mas, cerca de 5% dos cancros do intestino grosso são hereditários e cerca de 20% são familiares A - Pliposes herediárias do cólon que evoluem para cancro 1. Cancro familiar (PAF ou FAP*) gene APC .Variantes da FAP ▪Síndrome de Gardner ▪Síndrome de Turcot ▪PAFA ou FAPA (polipose adenomatosa familiar atenuada) 2.Polipose MutYH (gene MUTYH) 3.Síndrome de Peutz-Jegers (gene STK11) 4.Polipose juvenil (gene SMAD4/MBPR1a) 5.Síndrome de Cowden (gene PTEN) B - Cancro Hereditário do Cólon sem polipose (Síndrome de Lynch - genes reparadores do ADN: hMLH1, lMSH2) C - Cancro do cólon com história familiar positiva como nestes casos não existe um marcador genético devem observa-se com rigor as orientações rorastreio - ver rastreio do cancro do cólon